terça-feira, 21 de abril de 2009

A felicidade de viver ao lado Seu e de Teu.


Bom, ando sem muita inspiração então é obvio que esse texto não é o que gostaria que você lesse. Ele é uma tentativa de me colocar em movimento. Ando muito parado.

Eu acordo,tomo o meu café e saio pra correr na praia todas as manhãs e sempre...sempre vejo e dialogo com o mar. Ele é o meu terapeuta aqui em Salvador. Estou na correria de buscar uma carreria pra mim. Estou com o medo da crise. Preso entre a vontade de viver tudo de uma vez só e a necessidade de estar pleno de capacidade intelectual . Eu, como nao costumo, fico estático. Porque segundo pesquisas, essa é uma reação do corpo humano diante do medo. Seus músculos travam, você fica paralizado e espera as coisas voltarem ao normal para poder raciocinar com cuidado e achar uma solução para a situação de perigo. Não é bem de perigo que falo, ou pretendo falar. É dessa característica engraçada que penso ser comum a grande parte. Eu nunca vivi isso. É tudo muito novo... estou diante de tudo literalmente novo na minha frente e sem dúvidas esse sentimento veio junto as novidades da minha nova vida.


Acredito que a paralisia que me toma agora é fruto desse medo de tudo. É o mal do século XXI temos sempre muito medo das coisas. Dos bandidos, polícia, Sos pedintes na rua. E acabamos nos habituando a ter medo. E por isso talvez precisemos de alguém em que confiar cegamente. É por isso que agradeço a Deus por colocar na minha vida pessoas que fazem o fardo ficar mais leve. No discurso do elogio vai tanta coisa melosa e nananana, mas ela sempre diz que amigos não precisam agradecer. Então Lizandra esse texto é pra vc! Amiga maior que Deus me fez encontrar nesta existência e em quem confio cegamente...Dou a mão e me deixo levar...e assim vou sendo feliz!!!

4 comentários:

Patricia de Carvalho e Castro disse...

Oi Antonio imagino como vc deve estar se sentindo em meio a tantas mudanças, mas confie no final tudo acaba bem porque é a ordem do universo. Hoje quando levei a Li no aeroporto e vi ela entrando sozinha para o embarque me deu um nó na garganta, mesmo sabendo que ela volta rápido e que não foi a primeira ida, acho que é dificil acostumarmos com as mudanças, aí lembrei de uma frase do Drumond que diz: "A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional". A dor passa a ser a nossa profª, agora tranformá-la em tortura é mesmo uma opção. Beijos mil

Antonio M. Athanazzio disse...

Patricia vc me entende e eu te entendo muito bem. É isso. Ponto e pronto.

Liz disse...

Q bonito, eu chorando aqui na lanhouse do hotel!!! bonito demais!!!!!!! Valeu irmão, valeu!!! Amo tanto qto mto!

Liz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.