quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Aponta pra fé e rema



No canto da cama uma revista com a foto do Chico Buarque e a taça do vinho de ontem, ainda, ao lado. Acordei morrendo de dor de cabeça e feliz no meio do escuro do quarto.

Sem força até pra atender o celular que tocou...

Assisti novamente o filme Lei do Desejo de Almodôvar isso tudo pra eu repensar sobre o amor. Bem cedo tentando entender essa força do gostar. Isso que ele retrata tão forte no meio de uma trilha sonora e um roteiro delirante.

Acordei ouvindo novamente "wake up alone" e com uma vontade de chorar, mas insisto em dizer que eu tava feliz. Quando entrei no banheiro achei que ali tava tão bom, os azulejos brancos, as toalhas verdes penduradas, o cesto com uma revista com Marisa Monte na capa e claro, o cheiro perfumado dos potes de cremes abertos que ficaram sobre a pia. A música tocava alto pela casa e meu coração parecia que iria parar. Bom seria se parasse bem nesse instante bom de vida. O instante em que a gente se sente bobo e feliz. Pensei que não haveria carnaval pra mim se ficasse com essa coisa presa . Esse sentimento de buscar o amor de qualquer jeito. Amor não se pega, não se leva, nem se eleva acho que  de certo modo releva...

Peguei o computador e fiquei sentado de cueca branca no chão da sala, repetindo sem parar a mesma música e me deixando ser tomado por esse sentimento que não sabia o que era...

Aponta pra fé e rema... essa foi a frase que encontrei na página de um desconhecido e nela venho me apoiando até agora,assim do nada.

Eu vou tentar ser forte pra nós dois,ok?

Um comentário:

Helena disse...

É duro mesmo....