terça-feira, 16 de novembro de 2010

Minha escrita é pra dizer, que tudo isso é por ti.


Acordei querendo explodir em palavras. Alguma coisa ardia em mim, inquieto e louco andei pela casa com uma urgência de escrever. Escreveria no céu se fosse possível, em toda sua extensão, sem pedir licença a Deus. Poesia e trechos que escuto com tanto significado. Ousado peguei o pincel verde e sem pensar fui a porta da geladeira:

Amor
Festa
Devoção

"ensinamentos dela para bem viver"

Escrevi sem juízo de valor, ato livre de criança. Parecia um desses anjos tortos fazendo arte. O que muitas vezes me salva é minha espontaneidade. Fiquei maravilhado diante da geladeira. E juntando tudo que nos tocou ontem, digo tudo... tudo tudo; cheguei a fina conclusão.

Tudo é uma grande saudade de minha mãe.
Maria Bethania dedicou esse trabalho: "Amor, festa e devoção a tua mãe dona Canô.

“São palavras que me dão norte e que têm como subtexto a fé, a esperança e a caridade, características fortes em minha mãe”, explica Bethânia . “Isso explica a energia e o seu espírito para com a vida, os seus 102 anos... Tudo isso são aprendizados para mim. Só agora consigo traduzir em música, intenção e gesto tudo que ela representa para mim”.

Uma simples pergunta me jogou na parede ontem, destruíndo tudo que tento disfarçar no emaranhado correr da vida cotidiana. Me trouxe a tona, fato é: sou todo saudade. Gosto do sentimento, da palavra solta reta e da clareza de poder perceber a alma da pessoa. Tem muito da gente em nossas vontades. Onde queria estar agora?

Belo Horizonte.

Nenhum comentário: