segunda-feira, 16 de abril de 2012

Sobre as coisas que costumávamos fazer


Quando ouvir “wish i cold” na voz de Norah Jones lembre-se de mim...
De todos os sorrisos e gargalhadas que dei dentro do Mar ao teu lado...
Do ar que puxei, profundamente, para dar aquele longo mergulho...
Da minha mão que tocou a sua durante aquele show, na hora daquela música tão esperada...
Eu dancei pagode pra você, lembra?
Lembre-se da minha cara de homem mais feliz do mundo diante de uma xícara de café...
Lembre-se que tentei te afastar da t.v, eu nunca ligava a t.v, pois meu foco era você...
Daquela noite, Daquele Mar,,,
Daquele show que cantei a nossa música só pra você...
Daquele show que eu dançava e cantava de olhos fechados num transe meio louco no meio daquela gente toda...
Sei que você sabe que sou louco por música. 
Pra sempre as nossas canções em tua lembrança...
Dos trechos dos livros da estante que eu lia pra você...
Das paredes em que escrevia frases que me coçavam a alma...
Veja nos álbuns de fotografia, passe teus olhos por lá...
E perceba que eu fui feliz ao teu lado...
Que toda aquela realidade existiu, mas só vai ter movimento na tua lembrança...
Lembre-se sempre de mim
Viverei em você (agora) assim...

2 comentários:

Denner Bressan disse...

Cada momento único e sutil será lembrado de for impar nas nossas vidas, e certamente deliberamente não terás momentos tão incríveis como o que tivermos. A lembrança do ser sorriso e grito de felicidade está sempre com uma eterna lembrança saudosa e marcante no meu peito, muito obrigado!

Antonio M. Athanazzio disse...

Meu ciumes e meu sofrimento foram mais fortes. Contudo foi simples e completo o amor que tentei lhe dar. Da forma que nem eu sabia entregar a alguém. Fica ainda uma gosma presa na minha garganta que me faz chorar por [ainda gostar] mas que recusa a me [re] aproximar de alguém que nunca me quis bem. Jogou os sentimentos de um homem simples e sonhador pro alto. Vai tua vida pássaro contente...