segunda-feira, 14 de maio de 2012

Um breve suspiro em tempos de paz


Estou ouvindo Mayra Andrade neste momento. Lembra que você que me aplicou essa raridade para a música da atualidade?
Hoje queria encontrar com a tua paz. Aquela paz deliciosa de andar distraidamente pela cidade. Sou um cara todo distraído, mas contigo consigo ser mais, ser bobo, ser leve e ao mesmo tempo delicado. Hoje me bateu saudade do tempo da sua delicadeza. Contraditório dizer isso ao passo que você mesmo se auto considera politicamente incorreto em várias questões sobre consciência urbana.
Bem agora, lembrei da carta que escrevi  sobre aquele tempo em que andávamos juntos pelas ruas do Corredor da vitória, pela praça do Campo Grande e os papos no café Aliança Francesa, tão bom, tão perto do mar, com cheiro de café. Sem mais delongas vamos ao texto:

“Sempre achei que isso só aconteceria em filmes. Não imaginava que aconteceria comigo. O amor nos idiotiza li isso em algum lugar e estou certo disso. Andei tendo tardes cheias de por do sol, tardes cheias de cafés, de um bolero cantado afinadíssimamente ao pé do ouvido, ouvi estórias do interior, sentei num banco da praça num fim de tarde, ganhei presentes singelos. Tudo isso numa única tarde num tempo de um bom filme e também como um filme.
E como em todo filme temos o contra ponto, aquela máxima da abobora que valida o prazo até meia noite, como aquele “se” que impõe uma condição, como as separações das almas pregadas em grandes roteiros de grandes filmes, assim caímos nesse clichê moderno.
Antes disso, duas almas sem entender aquilo tudo. Naquele tempo curto acredito que jamais entenderíamos a energia que criamos para aquele tempo. Não havia pretensão de nada, o natural corria solto feito um rio manso e tranqüilo... Corria música... Corria cafés... Corria um olhar cheio de paz... Corria atenção no olhar, no falar e corria também o sorriso das nossas incertezas.
Nunca esquecerei o nosso silêncio diante da contemplação do mar.
Quero lembrar de você como quem lembra de um abraço apertado.

2 comentários:

Denner Bressan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Denner Bressan disse...

Também quero-te com uma lembrança forte e repleta ao meio de sorrisos, abraços, assim será a tua imagem perante a tudo que foi vivido!!!