terça-feira, 6 de outubro de 2009

O entendimento do ser humano x ser peão



Se alguém quiser passar uma temporada no inferno sem sair de casa, basta ser vizinho de um prédio em construção com prazo atrasado de entrega. Todos os que já se viram condenados a tal destino – e, por causa dele, consideraram a idéia de trucidar alguém ou de se matar – sabem disso. O apartamento treme, as janelas vibram, os vidros trincam e os órgãos do infeliz parecem desprender-se dentro do organismo.
Não adianta aplicar algodão às orelhas, trancar as janelas, calafetar as frestas e ligar o ar-condicionado – as batidas entram do mesmo jeito.
...as 7:00 da manhã ( em Salvador e 6:00 nos demais Estados com horário de verão) começou o barulho da obra que tem atrás do prédio.
Fui à janela dei um assobio e falei com o peão:
_Senhor, por favor, dê uma olhada nas horas?
Ele responde:
_Você tem que falar com o encarregado?
Veio o encarregado, Edmilson, e com toda falta de trato pra lidar com pessoas disse uma série de frases que me fez pensar no significado da palavra peão:

Eu to aqui desde 6:00 da manhã.
Eu não posso fazer nada, já fizemos tanto barulho e agora o senhor vem reclamar?
Temos prazo pra entregar a obra

Depois dessas frases remete-se ao senhor do maquinário e o manda retornar me dando as costas e prosseguindo o trabalho. O que me fez acreditar que são de fato peões.
Chamam de "Peões" , em alusão aos peões do jogo de xadrez, que são responsáveis apenas para o trabalho (no jogo eles são responsáveis no movimento do jogo = trabalho), mas sem maior importância intelectual ou de decisão no jogo (como a rainha, o rei, bispo, etc). Na verdade é um adjetivo bem preconceituoso que visa simplesmente ofender. O termo também é utilizado aos que trabalham com animais.

A paciência me fez uma visita após isso e vim tentar acabar com o sentimento escrevendo. Pra não ser necessário ligar pra policia, não ser necessário eu gritar e mandar o encarregado pra casa do caralho, não ser necessário matar.Escrever pra buscar o entendimento. Buscar um alívio de não deixar isso me tomar o dia. A falta de tato dele comigo é a resposta para essa minha busca. Essa incapacidade de atingir, de entender, é que faz com que eu, por instinto de... de quê? Procure um modo de falar que me leve mais depressa ao entendimento. Esse modo, esse "estilo" (!), já foi chamado de várias coisas, mas não do que realmente e apenas é: uma procura humilde. Nunca tive um só problema de expressão, meu problema é muito mais grave e ainda não descobri qual é. Quero é não perder o meu humor diante das coisas.
Quando nos damos conta de que falta alegria em nossa vida é preciso refletir se não vivemos reclamando de tudo: custo de vida que está alto, o aumento do salário que não veio, o desemprego, a violência urbana, a falta de decência de muitos governantes, o descaso com a saúde pública, a miséria, a tragédia e tudo o mais que nos incomoda e entristece: como esses barulhos logo cedo.

Simplesmente aqui minhas palavras, um desabafo.

Um comentário:

Janaína Cruz disse...

Compartilho do seu post e assino embaixo... Sei bem qual é dessa construção, e digo outra coisa, depois dela passei a dar muito mais valor aos meus momentos silenciosos pela manhã. E mande sim pra casa do caralho com todos os maçaricos que estiverem perto!